Cura Energética

Miniatura Cura Energética.png

A Terapia Energética atua em um nível muito sutil; mas os resultados são muito perceptíveis. Desenvolvido pela gaúcha Luísa Comin, é uma técnica da Medicina Integrativa que trabalha sobretudo a consciência, sob a instância corpo-mente-alma.

Como o próprio nome sugere a energia do nosso sistema orgânico é composto, por sua vez, por muitas camadas diversas de vibrações, como se houvesse muitas fatias - ou personalidades - dentro de uma mesma pessoa. Isso explica, por exemplo, como somos tranquilos na maior parte do tempo, mas viramos leões em certas situações. Assim como o leão - representando a raiva - e outros 'bichos', há uma série de sentimentos - ou 'mentes' - muito bem acondicionadas dentro da nossa personalidade, que vibram, crescem ou diminuem conforme são 'alimentados'.

Estas energias são 'lidas' na sessão de Cura Energética por um profissional iniciado e capacitado para tal entendimento. Esta 'leitura' é decorrente nada mais do que a própria vibração da personalidade 'mais alimentada' dentro de cada um: elas é que vão dar seguimento ao que será necessário dentro da sessão. Assim, a Cura Energética poderá identificar medos, bloqueios, traumas, padrões negativos que se repetem, desordens físicas ou emocionais e trabalhar cada uma destas questões enquanto energia, mesmo que estejam no corpo físico. É assim com o medo, por exemplo: uma ideia apavorante pode desencadear no corpo uma série de descargas químicas capazes de nos levar a tremores, diarreias e sudoreses, entre outras coisas. A Cura Energética pode trabalhar o medo consciente, mostrando, por exemplo, que uma barata não mata, além de trabalhar o medo inconsciente pelo inseto: porque ele existe, foi 'instalado' e 'alimentado'. Na sessão estes medos são trabalhados, modificados e desbloqueados sob instâncias diferentes: atuam tanto no corpo, quanto na mente e na alma.

A Cura Energética acontece como uma conversa entre amigos, num diálogo franco sobre as dores da alma. Pode ter ocasionalmente uma maca envolvida, mas a técnica é puramente sutil: os olhos não veem, mas o coração sente. A ideia aqui é trazer ao corpo - e principalmente à mente - uma paz de espírito para seguirmos adequadamente a nossa missão.

Instituto Cultural Potala