Curso de I-Ching

Ho'oponopono

Definição

I-Ching ou Livro das Mutações é um texto clássico chinês composto de várias camadas, sobrepostas ao longo do tempo. É um dos mais antigos e um dos únicos textos chineses que chegaram até nossos dias. Ching, significando clássico, foi o nome dado por Confúcio à sua edição dos antigos livros. Antes era chamado apenas I: o ideograma I é traduzido de muitas formas, e no Século XX ficou conhecido no ocidente como "mudança" ou "mutação".

O "I-Ching" pode ser compreendido e estudado tanto como um oráculo quanto como um livro de sabedoria. Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado por religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida taoísta.

 

Filosofia e cosmologia no I Ching

As oito figuras que formam o I-Ching estão na base da cultura que se desenvolveu na China durante milênios. Para os chineses a ordem do mundo depende de se dar o nome correto às coisas, portanto o significado de "I" sempre foi objeto de discussão.

Alguns vêem o ideograma I como semelhante ao desenho de um camaleão, representando o movimento (como o lagarto) e a mutação (como o mimetismo do camaleão). Outros afirmam que o ideograma é formado pelo do Sol em cima e o da Lua embaixo, a mutação sendo simbolizada pelo movimento incessante destes astros no céu.

Para o pensameno chinês, não há o que mude, há apenas o mudar. A mutação seria o caráter mesmo do mundo. Mas a mutação é, em si mesma, invariável, ela sempre existe. Portanto, "I" significa mutação e não-mutação. Subjaz, à complexidade do universo, uma 'simplicidade' que consiste nos princípios que estão por trás de todos os ciclos. Ao fluir com as circunstâncias se evita o atrito e portanto a resistência: esse é o caminho do homem sábio.

Tanto o taoísmo como o confucionismo, as duas linhas da filosofia chinesa, beberam da fonte do I. Tudo que ocorre no céu e na terra tem sua imagem nos oito trigramas, que estão continuamente se transformando um no outro. Têm várias camadas de significados, e representam processos da natureza

 

O Curso de I-Ching

Para que se tenha uma boa compreensão sobre o I-Ching, seus símbolos, seus textos e a sua lógica, faz-se necessário um estudo introdutório, chamado de Fundamentos do I-Ching. Por meio dele são apresentadas as bases filosóficas e técnicas para o seu adequado entendimento. Em dois encontros - sempre num sábado, das 10h às 18h -, o curso Fundamentos do I-Ching abordará:

  • Origem histórica

  • Cosmologia do Yì Jīng (I Ching)

  • Oito Trigramas (Ba Guas do Céu Anterior e do Céu Posterior)

  • Simbolismo dos Trigramas

  • Numerologia básica

  • Quadrado mágico

  • Estrutura do Hexagrama

  • Estudo das Linhas

  • Ordenação ancestral de Fu Xi

  • Oráculos de varetas e moedas

  • Chave de Interpretação Tradicional.

  • Técnica simples de Flor de Ameixeira

 

Este curso é pré-requisito para os cursos de Hexagramas e Flor de Ameixeira. A partir do curso de Fundamentos, abrem-se as portas para desvendarmos os segredos deste maravilhoso conhecimento!