Curso "Escrevendo o Bem"

Oficina de Filtro dos Sonhos

A palavra e a escrita têm poder. O ato de comunicar traz como semente a capacidade de  influenciar,  afetar,  impactar.   Podemos  pela  palavra  edificar  ou  destruir  o  outro.   Na sociedade multimidiática e globalizada de nosso tempo esse poder está mais forte do que nunca. Lamentavelmente, em muitos casos da indústria cultural moderna a balança pende de maneira até sórdida para o lado negativista, deprimente, destrutivo.
Quem escreve, profissionalmente ou por motivo pessoal, tem nas mãos a capacidade de ajudar a construir um mundo melhor ou de contribuir, voluntariamente ou não, para arrasá-lo de vez. Pois a escrita chega à alma e ao coração das pessoas e são as pessoas que
geram, inconscientemente ou não, seus próprios paraísos ou infernos pessoais, e dos outros.
Geram a partir de suas visões da realidade e essas surgem, pelo menos em parte, do que recebem pela comunicação escrita. Na mão do escritor que deseja exercer conscientemente seu poder, o privilégio de usar a pena de escriba que lhe foi dada arquetipicamente por Thot, o deus da mitologia egípcia responsável por ter dado ao ser humano o dom de escrever. O dom traz compromissos e penalidades, quando mal empregado.
Como funciona esse poder da escrita na mente das pessoas? O que nos mostra a psicologia? Que iniciativas já existem no mundo de escritores que assumem conscientemente praticar sua arte para o bem comum? Quais lições nos trazem casos marcantes como a dos Escritores da Liberdade que causaram uma pequena-grande revolução na educação norte-americana? O que é a narrativa de transformação?

 

Pré-Requisitos:
Gostar de escrever

Querer exercer esse poder para o belo e para o bem

Escrever com consciência transformadora

Ter no mínimo 16 anos